Vivemos à margem, nas margens...

Vivemos à margem, nas margens...

Este é o pedaço de território onde queremos partilhar as nossas aventuras ao longo do comprido rio que temos vindo a seguir. Dois olhares diferentes, duas vistas distintas, mas sempre guiadas pelo mesmo farol...

quinta-feira, 29 de março de 2012

Divisão de Tarefas

(feitos pela A.G e M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O-S!!)

Já decidi a divisão de tarefas para quando eu e a A.G. juntarmos os trapinhos! :)

T.S.: lava, limpa, passa, esfrega, cozinha...
A.G.: faz cupcakes de Oreo para a T.S. todos os dias.


quarta-feira, 28 de março de 2012

OMG!

Para quem não conhece os Pomplamoose, esta é uma excelente oportunidade para o fazer (vejam os outros vídeos!)

Para quem adora Angry Birds (já jogaram o novo Space?), melhor ainda....

Absolutely Genius.


segunda-feira, 26 de março de 2012

Pequeno Paraíso

Este tempo faz-me começar a pensar em férias, nas que virão e nas que já passaram. Lembrei-me do verão de 2010 e do Pequeno Paraíso que visitámos e pelo quando ficámos apaixonadas. Ficou a promessa de lá voltar um dia mas para acampar. Aqui ficam algumas das fotos que tirámos por lá.







Quem adivinha onde é? É fácil! :p

(Para quem, como nós e a menina Once I was, se dedica ao Geocaching, é um sítio a não perder!!!) 

segunda-feira, 19 de março de 2012

Vini, Vidi... Feci?

Digam o que disserem, venha quem vier, seja em que formato for, a Internet é uma coisa maravilhosa.
Certo: encontramos desde a pior espécie de conteúdo, até a mais alta qualidade de informação.
Mas se utilizarmos o mínimo de bom senso que nos possibilite filtrar o que se encontra por esta Grande Rede fora, conseguímos tornar-nos melhores pessoas e mais completas.

Há que distinguir 4 tipos de conteúdo: importante e pouco importante, de boa qualidade e de má qualidade.
Sou totalmente a favor de conteúdos pouco importantes, desde que sejam de boa qualidade. E passo a explicar porquê.

A maior parte das coisas que aprendo na Net são de importância quase nula, mas dão-me um jeitão que nem vos passa pela cabeça. São coisas que eu conto à T.S. com muito entusiasmo e ela responde ironicamente:"Uuuuuui! Realmente, é essencial saberes fazer isso! Que coisas úteis que andas a pesquisar".

De facto, podem ser as coisas mais parvas à face da Terra, mas o critério "Utilidade" é o que não lhes falta. Vejam.


Top 10 das coisas práticas que procurei e aprendi a fazer na Internet:

1. Cozinhar.
O melhor Chef que temos em casa está à distância de um clique: desde o estrelar de um ovo, cozer uma couve, cortar uma maça, até fazer um boeuf bourguignon, coq au vin, ou um belo Bife Wellington.
2. 3 truques para abrir boiões de vidro.
Parece ridículo, mas já abri boiões que nem um homem bem musculado conseguiria. Requer um bocadinho de coragem e sensibilidade, mas força? Muito pouca. Um alívio para as mãos e salvação de muitos que não conseguem acabar uma receita porque não há meio de abrirem o frasco com o ingrediente essencial.
3. Pentear, pintar e "manicurar".
A mim e aos outros. Vaidade? Certo, um pouco também. Mas é muito mais um dar asas à criatividade. E para quem faz teatro dá um jeitão.
4. Montar um Kit de Primeiros-Socorros e algumas noções de socorrismo.
Infelizmente não tenho formação em primeiros-socorros, nem tenho a intenção que fingir que tenho, mas posso dizer que aprendi algumas coisas que poderão dar jeito em casos de emergência.
5. Tirar manchas de Tapetes.
Se me virem a comprar espuma de barbear, não se aflijam: está tudo bem entre mim e a T.S.. A culpa é mesmo das manchas do tapete. =P
6. Massagens.
What else?
7. Desenrolar um fio do telefone.
 Daqueles muito enroladinhos dos escritórios. Não se riam, pode ser um grande quebra-cabeças!
8. Resolver problemas com computadores.
É preciso uma dose gigantesca de paciência e uns nervos de aço. Mas 99% das vezes, resulta.
9. Carregar a bateria de um telemóvel ao Sol.
Ainda não testei...tenho medo.
10. Fazer uma "lanterna" com um lápis e um cabo de bateria do carro.
Pois...hum...Bem...Nunca se sabe!


Experimentem escrever a coisa mais parva que se lembrem num motor de busca. Juro que vai aparecer algum resultado relacionado.


E tantas outras coisas... Já perdi a conta.


P.S: Nem vou falar da importância que a Internet tem para a aprendizagem de novas línguas; e muito menos do contacto com novas pessoas; criação de comunidades e partilha de histórias de vida... Acho que nenhum@ de nós aqui tem dúvidas disso...

segunda-feira, 5 de março de 2012

Ode Triunfal à Minha Vida

"Ó dolorosa luz artificial desta empresa
Tenho febre e não me convém meter baixa com um contrato de seis meses
R-r-r-r-r-r-ring dos telefones.
Ainda agora são 15h.

Ó Problemas, ó tempo curto!
Forte espasmo retido numa tendinite por passar muito tempo a inserir dados em Excel
Em fúria, picar ponto para sair e entrar.
Tenho os lábios secos, deste ar artificialmente filtrado
E arde-me a cabeça das mudanças de temperatura do sistema central
E do excesso contemporâneo de vós, ó auditorias!

Em febre e olhando para as encomendas em aberto
Grandes trópicos de fornecedores que não são pagos
Canto, e canto no carro, para não ouvir o som dos meus suspiros
Porque o presente é todo um passado mal encaminhado
E há Morangos com Açúcar e Casa dos Segredos dentro das cabeças dos colaboradores
Só porque não têm mais nada para ver há hora de almoço
E pedaços do Telejornal cheio das suas desgraças quasi-fictícias,
Átomos que são manipulados em laboratório para fazer coisas estranhas que não sei explicar
Mas que tento vender com toda a falsa pompa e circunstância
Rindo, sorrindo, saltando,
Fazendo-me um excesso de carícias ao palato de tanto discutir as mesma situações.

Ah, poder exprimir-me todo como as máquinas se exprimem ruidosamente às 8h da matina!
Ser completamente adormecido!
Poder ir na vida tão pouco triunfante como um automóvel em fim de vida comercial!
Poder ao menos alhear-me mentalmente de tudo isto,
Desejar-te toda, sonhar-te completamente, tornar-me saudosa
Do teu perfume e calor e espírito
Dessa tua maneira de ser estupenda, clara, natural e insaciável!

Fraternidade de todos os colegas!
Por partilharmos a mesma miséria
Do ouvir barulhento das máquinas,
Das pressões de ar,
Das máquinas de soldadura,
Do tumulto disciplinado da produção
E do quase-silêncio ciciante e monótomo da corrente de transmissão.

(Ah, como eu desejaria ser alheia disto tudo.)"

A.G.



Pronto, é isto.


P.S.: Sinto um "piqueno" Álvaro de Campos a apoderar-se de mim. 


P.S.S: Não levem a mal qualquer referência a autores/programas/ou qualquer outro elemento de Pop Culture. Não é pessoal.