Vivemos à margem, nas margens...

Vivemos à margem, nas margens...

Este é o pedaço de território onde queremos partilhar as nossas aventuras ao longo do comprido rio que temos vindo a seguir. Dois olhares diferentes, duas vistas distintas, mas sempre guiadas pelo mesmo farol...

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Uma crise (de Orgulho)

Considero-me uma pessoa muito Orgulhosa, num bom sentido. Não demais ao ponto de não aceitar ajuda, por exemplo, mas gosto muito da minha integridade e de bem tratar e ser bem tratada. Sempre achei que não havia dinheiro que me comprasse isso. E não há, pelo contrário: é a falta dele que me afecta. 

Digamos que ninguém me chama nomes, mas sou constantemente ofendida e tratada com pouco respeito, e noutras circunstâncias (num país onde tivesse emprego à fartazana), já tinha mantido o meu Orgulho e ter-me-ia demitido. Custa-me vir trabalhar todos os dias, e estou a sofrer uma crise de identidade e de amor-próprio porque não preciso disto para sobreviver (graças a Deus ainda tenho os meus pais), mas não consigo sair desta situação com receio de não voltar a ter emprego. Sempre achei que estivesse acima de tudo isso, e a minha Dignidade fosse o mais importante, mas até isso se revelou, afinal, não passar de um sonho de criança.

É claro que há limites para tudo e do limite não vai chegar a passar, mas é triste ter de me auto-questionar e de me calar quando me falam mal. E o mais frustrante, é que sempre fui pro-activa na luta da mulher como um papel forte na sociedade e desconfio que em parte sou assim tratada por usar saías. É frustrante viver com o sonho de mudar o Mundo e a forma como nos tratamos em sociedade e depois estar a reprimir este tipo de humilhação. Quem me conhecer fora deste contexto não me reconheceria quando estou a trabalhar: todo o brilho, energia e o maldito argumento sempre pronto à discussão saudável, desaparecem.

Infelizmente a única pessoa que me trata desta forma "é quem me ordena". Já apelei a pessoa em questão para a situação, mas a ameaça de que estava ser "respondona", demoveu-me. Queria dar-lhe uma lição de boa-educação, mas há mais pequena tentativa, sou ameaçada.

O meu lema durante muito anos foi retirado, ironicamente, de Pride and Prejudice: "A Good Man's Opinion Once Lost Is Lost Forever".... O orgulho recupera-se? Se não por parte dos outros, por nós próprios?


Um desabafo (demasiado comprido) convosco e gostaria de conhecera vossa opinião ou partilha de experiências na mesma situação.

6 comentários:

Márcia V. disse...

Infelizmente vivemos numa sociedade onde o respeito ao próximo é cada vez menor e o abuso da parte de quem ordena é maior,e nestes casos pouco mais há a fazer do que engolir sapos,por muito grandes que sejam as vezes é o melhor a fazer.

Bubuleta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bubuleta disse...

Estamos a entrar numa crise de valores, e quem está acima de nós [ hierarquicamente falando] acha-se no poder de falar como bem lhe apetece, porque quem está mal muda-se, mas como estamos com problemas de arranjar trabalho acabamos por nos «sujeitar» ao que temos, a engolir «sapos» e o ego dessas pessoas vais aumentando... Mas pensa positivo A.G. um dia essa pessoa ha-de cair... Porque não pode durar sempre esse ar durão e Mal educado. a vida encarrega-se de nos dar liçoes de diversas maneiras, essa pessoa irá ter a dela de certeza. Força linda! Infelizmente sei bem do que falas, por vezes o ideal é ignorar, mas nem sempre é facil. há dias em que qualquer palavra proferida por essas pessoas nos magoam como se fosse uma faca a cortar-nos a pele... Mas temos de pensar em nós acima de tudo e sabermos o valor que temos. A T.S. de certeza que te mostra sempre esse lado que por vezes nós nos esquecemos. As caras metades servem também para isso, ser o nosso porto de abrigo :D Força e desculpa o comentário tão extenso. Pensa Positivo. e Acima de tudo que tu é que estas certa em ser assim, acima de tudo consguirmos dormir de consciencia tranquila :D
[Bom Fim de Semana]
Beijo Solto para as duas

às 27h no meu blog disse...

Concordo com a Burbuleta! é muito triste, mas é a realidade em que vivemos :s tento em conta a falta de trabalho e a quantidade de desempregados eles acham q podem tratar-nos abaixo de cão e nós vamos engolindo sapos porque o não falta aí é gente a querer trabalho e se formos embora em três tempo se arranja outro.. Tem calma :) beijinhoss**

Post-it disse...

Há dias que estou para aqui comentar isto... Finalmente, hoje é o dia!

Estou no mesmo "barco" que tu. Diariamente a ser tratada com pouco ou nenhum respeito, porque aos olhos da "patroa" estou ali para servir, não importa se tenho que subir escadas, atrasar o meu trabalho mas se tiver que lhe dar algo que está ao alcance de um "esticar o braço" dela, tenho que o fazer e ponto. Sem reclamações. Optei já por ignorar quando ela me maltrata ou humilha ou abusa do meu serviço. Mantenho a mente abstraída, porque desta forma estou a alimentar a fúria dela, por permanecer calma quando ela me quer irritar,e depois acabam por lhe correr mal as coisas. Castigo :D

Noutros tempos também eu já lá não estaria a trabalhar, também não teria passado do meu primeiro olhar de lado quando se "esticam" mas nestes tempos, neste tempo em que nem no nosso país nem fora dele temos grandes hipóteses de trabalho eu mantenho-me, não preciso para sobreviver porque tal como tu tenho os meus pais e também a Maria, mas para poder viver preciso.

Deves tentar também ignorar, mostrar pouco que as coisas te estão a afectar e se consegues lidar dessa forma estarás bem contigo mesma, afinal, tanto os nossos problemas devem ficar fora do trabalho, como os problemas do trabalho fora da nossa casa :)

Se não der, poderás sempre mandá-los "à fava" :P

A.G. disse...

Muito obrigada a tod@s pelos comentários e pelo apoio!

Um rápido update: para ter uma vida "salvaguardada" vou aguentar até ao fim do contrato e depois vou procurar novos rumos. =) É só aguentar mais um bocadinho e depois voltar a recuperar o orgulho e brilho nos olhos.

Márcia V., é pena o respeito ser cada vez menos porque fui criada com outros valores e custa-me muito a adaptar :( ;

Bubuleta, é mesmo isso que tento pensar. Chamem-lhe justiça divina, karma, energia negativa ou o que quiserem, acho sempre que os "maus da fita" eventualmente sofrem por aquilo que fazem aos outros. Ou talvez não, mas se não acreditar nisso deixo de acreditar no bem de cada um;

às 27h no meu blog, Obrigada. Tentei seguir os conselhos e ter calma. =) Mas como sabem hão dias piores :)

Post-It, muita força para a tua situação! Essa é uma excelente táctica para lidar com a tua chefe! É o que tento fazer também. Mas há dias que estou saturada e é mais complicado!


Mais uma vez obrigada a todas. Sei que não sou, de longe, caso único (se calhar até é o mais comum de se encontrar) e por isso mesmo é que quis partilhar e ler as vossas histórias. :D